Tag

transformacao

No final das contas

By | Artigo

“Eu ainda estou para conhecer uma única cliente que não retire seu véu, ou ultrapasse sua cortina de fumaça, e descubra que, no final das contas, é realmente amor que ela está buscando (mesmo quando ela talvez já tenha uma vida repleta dele).”

-Dra Libby Weaver

Escrevo esse texto com lágrimas nos olhos e coração apertado, de um lugar de insegurança, vulnerabilidade e muito amor. Há um pouco mais de 13 anos atrás eu era daquelas pessoas que achava que animais de estimação eram perda de tempo, estresse desnecessário e falta de liberdade (ainda mais se fosse um gato de quem, culturalmente, aprendi ter receio e desconfiança). Apesar de achar lindos esses bichinhos, não queria um para mim.

Até o dia que meu marido começou a falar em adotar um gatinho. Eu, no começo, resisti fortemente à ideia. Como assim ter um bicho estranho que pode me atacar a qualquer momento? Eu não fazia a menor ideia de toda a jornada de transformação e aprendizagem que me aguardava pela frente.

Foi no dia dos namorados em 2005 que a Kira chegou na minha sala de aula num cantinho de Belo Horizonte. Foi surpresa do marido, mas ela não foi escolhida, ela que o escolheu. Subiu no colo, ficou querendo carinho e a gente era dela, não tinha muito jeito. 2 meses de pura fofura e amor à primeira vista. Quando ele chegou segurando aquela bolinha de pelo no colo, ela já tinha me ganhado antes mesmo de me conhecer.

Ter um gatinho em casa é quebrar mil paradigmas ao mesmo tempo. Sim, ela gosta do espaço dela, mas a Kira sempre foi manhosa, sempre fez charme quando a gente falava com ela e sempre quis colo. Ela, desde sempre e com muita paciência, contrariava todas os meus pré-conceitos e me ensinava, por mais clichê que possa parecer, uma nova forma de amar.

13 anos se passaram e as histórias são muitas. A Kira é até conhecida no YouTube simplesmente por ser. 13 anos e eu nunca imaginaria que chegasse até aqui, revendo e revivendo. Há 1 mês e meio atrás descobrimos que a Kira estava com câncer, completamente tomada de tumores e com várias complicações que não dão para ela um bom prognóstico. Há 2 meses atrás a Kira duplicou a dose de amor, carinho, colo e presença nos nossos dias. Foi quase como se ela estivesse preparando para se despedir da gente da forma mais relevante possível: nos lembrando que, no final das contas, tudo que realmente importa, e que no fundo buscamos e fica com a gente, é o amor.

Para ela não importa a casa que temos, o carro que temos, a carreira de empreendedores (bem-sucedidos ou não), os likes no Instagram, o dinheiro, as viagens, o tipo de corpo, a imagem ou o sucesso. Ela sabe muito bem que isso não traz o que ela (e a gente) busca. O que realmente importa é o que ela tem nos dado e permitido por 13 anos e intensificado nos últimos dois meses: amor. Importa olhar com carinho, estar presente, ficar no colo e pedir aconchego. É piscar devagarinho (uma forma dos gatinhos demonstrarem afeto) quando falamos manso com ela. É estar 100% ali e receber o que 100% de nós buscamos.

E não importa o que aconteça, o amor vai estar sempre lá na sua forma mais pura: incondicional, sem julgamentos. Não importa se estamos estressados, tristes, com raiva ou preocupados. O amor está lá para qualquer momento que escolhermos estar presente. E ela é um constante e maravilhoso lembrete disso.

E nesse último mês e meio que descobrimos tudo isso, uma coisa me vem à mente muito constantemente: é importante e precioso demais ESCOLHER estar PRESENTE. Porque todas as vezes que estive na “correria” ou impaciente não me permiti dar e receber amor. Todas essas vezes eu perdi uma chance de sentir o que existe de mais puro e forte nela e em mim. Todas essas vezes eu perdi um momento de me reenergizar e conectar comigo mesma através do sentimento que, no final das contas mesmo, é o que todos nós perseguimos sem saber que já temos.

E muitas vezes não sabemos simplesmente porque não nos permitimos sentir e estar presentes. Porque o amor está lá, te chamando, pedindo nem que sejam 30 segundos do seu dia de 100% de atenção plena e presença. O AMOR ESTÁ AQUI e AÍ, é só a gente querer, conscientemente e atentamente, experimentar.

E um dia depois da cirurgia da Kira as únicas coisas que consigo pensar são o tanto que ela, sem cobranças e sem querer, me ensinou a me abrir para o amor de uma forma completamente diferente, e o tanto que quero me dar todas as oportunidades de sentir esse amor para sempre, seja de onde ele vier. Já comecei a fazer isso com mais frequência há um ano. De parar, observar e estar presente para receber e experimentar esse amor. Foi há um ano atrás que (conscientemente) acordei para isso e espero que a Kira também te ensine que 1 ano em 13 quer dizer que muitas chances de amor foram “perdidas” (de serem vivenciadas inteiramente), mas que nunca é tarde para viver todas as outras.

A Kira volta para casa hoje ou amanhã, ainda não sabemos. E também não sabemos como será a recuperação daqui para frente. A situação dela é delicada e imprevisível. E por isso meu coração está pequenininho, porque não sei se ela volta para mim como era, se ela recupera e me dá mais algumas chances de viver esses momentos de carinho e amor com ela e comigo, não sei o que vai acontecer. E, de novo, por mais clichê que possa parecer, este último mês eu agradeci imensamente por tudo que ela me ensinou, pela pessoa melhor que sou hoje por causa dela (e que nem sonharia em ser há 13 anos atrás) e pela maneira tão generosa e incondicional que ela escolhe nos ensinar sobre o amor.

E para todos nós eu desejo que fique sempre o aprendizado: não espere até o final para se dar o presente de estar presente e conectar com o amor. Seja através dos bichinhos ou das pessoas na sua vida. O amor é um sentimento que cura, ensina, energiza e está inteiramente dentro da gente. E se olharmos ao nosso redor com atenção, perceberemos que temos sim muitas oportunidades durante o dia de vivenciar este amor. Mas é muito importante saber que esses são momentos tímidos e pequenos (não vem com placa de neon avisando da “oportunidade de amar”), portanto é preciso estar atento para aproveitá-los.

Porque, no final das contas, o que lembrarei mesmo são desses pequenos momentos de amor incondicional vividos em sua plenitude. E no final das contas ficarei extremamente feliz por ter percebido e me permitido parar e estar presente, e finalmente entenderei que tudo que buscava estava ali bem na minha frente e bem dentro de mim o tempo inteiro.

E ficarei sempre profundamente grata pelo aprendizado que a Kira me trouxe, e por todo amor compartilhado e presenciado.

É isso que conta no final.

II Workshop de Emagrecimento Sistêmico Sustentável

By | Artigo
ATENÇÃO: esse workshop será beneficente em prol do Dia Mundial de Combate ao Câncer, portanto a ENTRADA será 1 QUILO de ALIMENTO não perecível
 

Garanta sua vaga aqui!

 

Sobre o workshop:

Depois de uma longa jornada em busca do emagrecimento e saúde sistêmica sustentável, consegui quebrar o ciclo de mais de 20 anos de dietas proibitivas e efeito sanfona e gerar na minha vida um emagrecimento de 50kg de forma natural, saudável e sustentável, que já mantenho há 2 anos.

Para isso e por isso estudei muito, me desenvolvi e consegui gerar (e manter) essa mudança de dentro para fora. Resolvi, depois de tudo isso, desenvolver e oferecer esse WORKSHOP BENEFICENTE* para compartilhar algumas ferramentas de desenvolvimento pessoal que considerei muito relevantes para mim e que podem despertar a reflexão mais profunda sobre o tema.

O meu objetivo é promover um diálogo diferente sobre mudança sustentável e sistêmica para compreendermos e sentirmos na prática que a mudança real não está apenas em estratégias externas, ela começa quando entendemos e nos aproximamos mais de quem somos e como funcionamos.

Vamos experimentar na prática algumas ferramentas e falarei também sobre os próximos passos que você pode dar na sua jornada para conseguir chegar onde quer.

Se você está buscando mudar e sustentar a mudança na sua vida, esse pode ser um primeiro passo importante. Te espero lá!

Vagas limitadas.


APOIO: 
Armazém e Empório Du Carmo (@emporioducarmo)

Me encontre nas redes sociais:

Esse workshop será em prol do Dia Mundial de Combate ao Câncer e os alimentos arrecadados serão doados para a Casa Aura – Casa de apoio a crianças e adolescentes com câncer. Você poderá acompanhar as doações e saber mais sobre a ONG na semana seguinte desse workshop nas minhas redes sociais.

O que te separa da libertação e da mudança sustentável

By | Artigo

Uma coisa, uminha só, só uma coisinha te separa da libertação e da mudança que quer gerar na sua vida. Não, espera, exagerei. Não é uma coisa só não – se fosse todo mundo estaria livre e mudado – mas é uma coisa extremamente importante como um primeiro passo a ser dado constantemente. Aí sim é uma coisa só.

Eu passei 20 anos num efeito sanfona forte antes de conseguir emagrecer 50kg naturalmente e definitivamente. O momento inicial que chamo de libertação aconteceu quando percebi essa uma coisa (calma, já estou chegando lá) e isso me ajudou a me livrar de dietas restritivas de uma vez por todas.

É o seguinte. Segue aqui o raciocínio comigo. Imagina que você é um carro e que dentro de você existem dois motoristas. Um motorista é responsável por notar as coisas que deixarão sua viagem mais agradável e o que te fará mais feliz e satisfeito. É ele que coloca aquela música que você gosta no rádio, é ele que abre as janelas para sentir a brisa gostosa vindo de fora e é ele que é responsável pelo seu conforto de uma forma geral. Ele é movido à recompensas, ou seja, coisas que te deixarão satisfeitos e farão a sua viagem não só segura, mas um prazer enorme.

O outro motorista é responsável por se atentar aos perigos da estrada. Ele está sempre alerta enquanto monitora o ambiente e as informações ao seu redor a todo momento. É ele que te avisa onde, no que e como prestar atenção com objetivo final de sobrevivência. É ele que percebe se algum animalzinho indefeso está atravessando a estrada ou se a luz avisando que algo pode estar errado no motor acendeu. Ele é movido à ameaças e quando ele percebe alguma que pode colocar sua vida em risco, é ele que assume a direção.

O primeiro motorista é atento e vigilante, mas focado em prazeres e conforto. O segundo também é atento, mas “hipervigilante”, focado em ameaças e se assusta facilmente. Ele é nervoso, apavorado e tende a desesperar com mais facilidade. E o grande problema dele é que, quando percebe algo que julga perigoso (sendo real ou imaginário, não importa), ele reage muito mais intensamente que o primeiro motorista. Perdendo o controle e ficando nesse estado por mais tempo. Costuma ser até difícil, dependendo do susto que ele tomou, trazê-lo de volta ao estado normal. E como ele reage tão mais intensamente que o outro, as experiências que representam risco de vida para ele tendem a parecer mais forte para você, porque ele é – um pouquinho – mais desesperado.

Para que o segundo motorista se desespere não precisa de muita coisa. Alguém que está ativamente procurando ameaças vai se desesperar até com algo que parece ameaça, concorda? Pois ele é assim. Nem adianta explicar que no mundo de hoje, com os carros modernos de hoje, a probabilidade de ameaça caiu muito. Não adianta. Poupe sua voz, porque ele não vai acreditar. O trabalho dele é apenas um: te salvar da morte. E para fazer isso ele não poupa esforços e acha melhor prevenir que remediar, por isso entra em pânico até com a mais vaga possibilidade de ameaça.

Tudo bem, ele pode ser, como disse, um pouquinho desesperado demais, mas ter alguém ali responsável pela sua sobrevivência não é algo que podemos reclamar tanto, né? Afinal de contas esse é o propósito de vida dele!

Pois bem, até aqui tudo certo? Você está comigo? Muito bom. Digamos então que esse segundo motorista perceba uma ameaça (real ou imaginária, não importa para ele) e entre em pânico berrando e gritando dentro do carro desesperado com a morte iminente e quase certa (na percepção dele). O que ele faz? Tudo para te proteger, inclusive acionar o airbag – e ele fez questão de instalar o sistema mais completo de airbags já vistos pela humanidade! Dependendo das ameaças, ele dispara todos ao mesmo tempo, como proteção.

E essas ameaças, como comentei ali em cima, podem ser qualquer coisa. Desde uma formiga atravessando a rua como um carro vindo na contramão na sua direção. Não importa, ele reagirá da mesma forma, especialmente se aquela ameaça já tiver acontecido antes. Aí sim é que ele dispara mesmo, nem pensa duas vezes, na mesma intensidade e proporção da última vez que encontrou aquela possível morte pelo caminho no passado.

O desafio é que, enquanto ele está nesse estado, você (o carro) não funciona da melhor forma possível e a sua habilidade de tomar as melhores decisões de como agir nesse momento de pânico estão prejudicadas. A sua memória é reduzida e, por isso, não consegue lembrar ou decidir que atitude tomar para resolver o problema, e a sua performance no geral cai também. Você começa a fazer o que pode com o pouco que tem. O caos está instalado, o seu controle está perdido, você tende a responder negativamente a tudo que acontece, arrisca menos, presta menos atenção, pode fazer conexões de pensamentos e ideias onde não existem nenhuma e se ficar nesse estado por longos períodos de tempo (ou quase sempre) pode prejudicar imensamente a sua saúde (do carro) como um todo.

Antes de continuarmos, tenho uma observação à fazer. A boa notícia é que podemos treinar, com prática e constância, o segundo motorista a entender melhor as ameaças controlando assim suas reações e se mantendo vigilante e tranquilo pela maior parte do tempo – existe uma linguagem toda especial para comunicar com ele e é possível aprender!! A má notícia é que nem todo mundo sabe disso ou quer aprender essa linguagem, infelizmente.

Ok, volta aqui. Essa observação não é assunto para agora. O que quero saber é se você está comigo ainda, se estamos na mesma página, se está me entendendo. Sim? Agora então faça uma troca de palavras do texto: troque carro por sistema (corpo/mente), troque ameaça de morte por dieta restritiva e airbag por excesso de peso. O que percebeu? Vamos lá, eu explico.

Toda vez que o motorista que é responsável pela sua sobrevivência (sim você tem um motorista no seu cérebro para fazer só isso) percebe a ameaça de morte, nesse caso a dieta restritiva, ele entra em pânico e começa a acionar os airbags, nesse caso o excesso de peso. Porque ele sabe, aprendeu com seus ancestrais e praticou durante muito tempo, que toda forma de escassez e restrição pode levar à sua morte. Ele sabe que restringir ou cortar comida da sua alimentação pode eventualmente te levar a morrer de fome. Lembre-se, o papel dele é detectar ameaças de morte e ele é MUITO atento à duas ameaças principais: fome e temperatura. O que ele não sabe é distinguir entre ameaça real ou imaginária, isso não importa para ele. Ele não consegue entender que você decidiu fazer uma dieta por motivos de querer diminuir o excesso de peso e que não vai morrer. ATENÇÃO, vou repetir: ele NÃO ENTENDE que a decisão de ficar com fome foi racionalmente tomada por você e que você tem a plena consciência que não vai morrer. Para ele qualquer ameaça é sinal de alerta e ele está ali super atento e vigilante para, a qualquer momento, disparar aqueles airbags (aumentar o acúmulo de gordura no corpo). E para ele a dieta restritiva é uma ameaça real de morte.

O mais interessante é que existe uma forma de reprogramar ou realinhar a comunicação com esse motorista e fazer com que ele se sinta seguro o suficiente para não disparar os airbags por qualquer motivo. Uma dessas formas, e aqui volto no comecinho do texto, e a principal diferença que você fará para ele, é se livrar de dietas restritivas. Remover essa ameaça de uma vez por todas para que ele tenha uma coisa a menos para se preocupar.

E se libertar dessas dietas é um processo – especialmente para pessoas que, como eu, passaram anos e anos recorrendo à isso. Requer atenção, cuidado, ajuda de profissionais adequados, constância e muita vontade de fazer acontecer. Pode ser confuso, às vezes, e pode ser frustrante também. Mas à medida que você troca a escassez pela abundância, a fome pela nutrição e as crenças limitantes pela expansão de modelo de mundo, você começa a perceber novos (e mais seguros) caminhos e ajuda seu motorista a relaxar um pouco mais e a perceber que existem formas de seguir dirigindo sem precisar interpretar tudo como ameaça. E o melhor: sem precisar acionar os airbags, porque você está seguro.

Então, da próxima vez que estiver escolhendo sua dieta restritiva da vez (e ela normalmente vem em forma de alimentação, atitudes e/ou pensamentos de escassez), lembre-se do seu motorista e saiba que ele está atento às ameaças para te salvar. A mentalidade de escassez é uma dessas ameaças e ele vai reagir aumentando as reservas de gordura no sistema. Escassez é desnecessária, cruel e muito ineficaz (a não ser que você queira ficar em estado de alerta e sofrimento constante e engordar no final, aí é bem eficaz!). Existem outros caminhos e novas possibilidades. Busque os seus com orientação.

Descubra-se.


Referências bibliográficas (teoria baseada na neurociência):

Your Brain at Work de David Rock
The Gabriel Method de Jon Gabriel

A prisão das dietas restritivas e o real motivo do excesso de peso

By | Artigo

O cenário era sempre o mesmo: depois de um imenso período de privação e sofrimento vinha um de compulsão e confusão. Esse era o efeito das dietas restritivas que me forcei viver durante quase 20 anos da minha vida.

O ciclo hoje é claro para mim. Eu julgava meus dias em “bons” ou “ruins” de acordo com as decisões que fazia com relação ao que comeria naquele dia – e se aquelas decisões ou “metas” tinham sido cumpridas ou não. Eu preciso ilustrar o que era, para mim, um dia típico dos que vivi frequentemente durante 20 anos.

Acordar era um processo doloroso, tanto porque queria muito ficar na cama – por tudo que estava vivendo e passando – quanto porque assim que abria os olhos o primeiro pensamento que tinha era comida. Eu não consigo colocar em palavras a sensação que é viver escrava do que chamo de compulsão de pensamentos, de pensar em comida a cada 5 minutos do dia. De lutar contra minha vontade de ir no supermercado comprar tudo que queria comer e comer escondida para que o olhar das outras pessoas não pesasse ainda mais a culpa que sentia por estar fazendo aquilo tudo.

Alguns dias eram piores que outros. Eu me sentia exausta com todos aqueles pensamentos e as atitudes que eles geravam. Eu lembro de vários episódios onde sentava na cama, a respiração superficial, e deixava as lágrimas descerem de tristeza, frustração e uma sensação enorme de não saber o que fazer. Morria de medo daquela prisão ser a minha condenação para o resto da vida, porque tinha “nascido com problema”. Mesmo hoje sabendo que é absolutamente possível quebrar esse ciclo, durante 20 anos foi assim que me senti: como se tivesse que lutar para sempre contra mim mesma. Como se tiver que me lutar desesperadamente para manter a cabeça acima d’água e não afogar.

Eu vivia em eterno conflito dentro de mim. A comida era, ao mesmo tempo, fonte de acolhimento e alívio e um inimigo a ser enfrentado todos os dias. Em épocas que estava buscando alívio, acolhimento e segurança, a comida era eternamente presente no meu dia – normalmente em momentos em que estava sozinha (a vergonha era demais para deixar os outros me verem comendo). Em épocas que estava lutando contra o inimigo, alguma dieta restritiva da moda estava presente e eu estava sofrendo a “eterna batalha” por “ter um defeito” desde o dia do meu nascimento – não é verdade, mas era assim que me sentia.

Eu não sabia na época, mas o inimigo não estava dentro de mim, nem na minha vontade de comer, nem na minha necessidade de acolhimento ou segurança, muito menos em algum “defeito de nascimento”. O inimigo, o que estava causando tudo aquilo e o que me levava a pensar constantemente em comida, era a dieta. Sim, a dieta.

Contraditório falar isso quando vivemos num mundo em que a dieta é um estilo de vida automático. Se quer emagrecer, faz o quê? Dieta. Se quer emagrecer. Se quer emagrecer e manter com a sensação de que fez as pazes com você mesma e que transformou sua vida de dentro para fora, aí é hora de pensar em outra estratégia, porque a dieta está te engordando e aprisionando.

E foi depois de 20 anos – 20 anos! – que comecei a pensar que estava fazendo a mesma coisa (dieta restritiva) esperando resultados diferentes (emagrecimento, manutenção, solução definitiva do meu problema e paz). Mas se aquela estratégia não estava funcionando, o que funcionaria?

Deixa eu falar uma coisa: toda vez que quebramos um paradigma desse tamanho (libertação de dietas restritivas para o corpo e mente) existe um estado de confusão que se segue. E se conseguimos chegar nesse estado de confusão é porque nossa busca começou. E a minha tinha iniciado quando finalmente comecei a perceber que estava fazendo a mesma coisa esperando resultado diferente. Quando comecei a perceber que talvez a culpa não fosse minha (eu não era incompetente em emagrecer, manter e mudar minha vida), mas sim da estratégia que eu estava usando.

Não se engane! A prática de dieta restritiva te coloca num ciclo vicioso (e estado de alerta negativo para o cérebro) que hoje vejo claramente, olha só: nos períodos de “não-dieta” vivia em constante ansiedade e tinha episódios de compulsão alimentar e de pensamento, esses episódios geravam muita culpa e sofrimento, quando essa culpa ficava intolerável eu escolhia a dieta da moda para “dar um jeito na vida”. Seguia com aquela dieta com sofrimento também, tentando usar a força de vontade a cada passo que dava. Mas força de vontade é recurso limitado (precisamos usá-la com moderação e estratégia) e quando a dieta ficava intolerável, porque estava exausta de toda aquela restrição (e porque, talvez, já tinha emagrecido o suficiente e merecia minha comida/minha liberdade de volta) chutava o balde e voltava a estaca zero. Normalmente chegando à um peso maior do que quando tinha iniciado o ciclo. Foi sempre assim. Durante 20 anos.

Quando finalmente consegui perceber esse padrão de comportamento, comecei a questionar profundamente minhas escolhas e a situação que vivia e tinha vivido nos últimos anos. Entendi que não era a comida em si, nem a dieta, nem meu corpo que era “meu inimigo”. Era um passo antes de tudo isso: alguma coisa estava acontecendo dentro de mim e começava na minha cabeça. Eu precisava achar a causa de toda aquela minha dificuldade com peso, alimentação, cuidado comigo mesma e saúde. E essa resposta não estava na dieta da moda, nem na dieta que me deu mais resultado no passado, nem na mídia que pegava o meu sofrimento, reembalava e me vendia em forma de solução mágica. A resposta estava dentro de mim. Eu só precisava fazer três coisas como primeiro passo: me libertar de dietas restritivas, começar a me escutar/conhecer e me nutrir com abundância – mente, corpo, coração e alma.

E para isso eu precisaria escolher o caminho menos percorrido e ter a coragem de embarcar numa jornada de autoconhecimento e, muitas vezes, confusão. Seria uma jornada que transformaria minha vida de uma forma que nunca tinha imaginado e me ajudaria a me resgatar, reconhecer e amar. Como se eu estivesse dormindo durante esse tempo todo (funcionando puramente no piloto automático) e, de repente, acordasse para um mundo cheio de cores e absolutamente encantador! Valeu cada segundo e faria tudo de novo se precisasse.

Descubra-se.

O mundo de dentro para fora

By | Artigo

Eu andei pelo mundo, durante muitos e muitos anos, no piloto automático no escuro. Vivia um padrão de comportamento do tipo: algo me incomodava, eu olhava para a infinidade de estratégias na minha frente, escolhia uma que nem sabia se fazia sentido para mim e testava. Vivia na tentativa e erro, tentando e testando para, quem sabe, achar uma que funcionasse na sorte. Fiz isso durante muito tempo. Quando queria (tentar) resolver um problema, saia ansiosa e desenfreada à busca de uma solução mágica que, com sorte, eu acharia na primeira tentativa. Nunca achei solução mágica. E olha que passei 20 anos procurando, hein?

Era como se alguém tivesse falado para mim: “antes de pular nessa piscina imensa que é o mundo, toma aqui seu manual. Lê, interprete e aprofunde-se nele para saber para onde nadar, como navegar e o que fará sentido para você.” E sabe o que eu fiz? O que a maioria das pessoas faz com todos os manuais de verdade: ignorei. Nem cogitei a possibilidade de ler. Nem quis saber o que tinha escrito ali. Nem entendi que eu tinha um manual. Saí instintiva e intuitivamente (apenas) tentando fazer sentido do “produto”. E às vezes estragava ou não percebia características e cuidados importantes e únicos que precisava ter. Normalmente, não queremos nem saber: vai logo, abre logo, funciona logo, tenta logo, vai de qualquer jeito, usa mesmo sem saber como, testa, tenta, vai no escuro mesmo. Anda! Gasta dinheiro, tenta, quem sabe funciona? Escuta o conselho do outro (que nem entende do seu “produto”), faz isso, mexe aqui, toma essa dica, anda! Tá meio estragado por mal uso? Compra essa solução aqui. Não funcionou? Toma essa, e mais essa, e mais essa! Gasta seu tempo, seu dinheiro, sua energia! Vai no escuro mesmo, a vida é assim, anda!!!

Mas ler o manual mesmo, nada, né?

Pois é. Passei 20 anos nessa. Sem nem entender que eu tinha um manual. E nesses 20 anos o que senti mais frequentemente foi frustração. Como se eu tivesse que fazer um esforço enorme para nadar contra a corrente para o resto da minha vida. Tentando manter minha cabeça acima da água para sobreviver. É exaustivo.

Um dia, ao tentar intuitivamente usar um produto aqui em casa, escutei do Ricardo, que me observava na entrada da cozinha:

– Você sabe que se fizer isso que está prestes a fazer você queima esse aparelho e estraga para sempre, né?
– Sério?! Como você sabe isso?!
– Eu li o manual.

Eu fiquei meio sem reação. Que solução simples e óbvia, né? Muito mais prática, economiza muito mais tempo e dinheiro. Ler o manual. É isso!! A partir de então comecei a ler os manuais dos produtos que compramos aqui. Todos. Descobri coisas que nunca imaginaria que aqueles produtos faziam. E descobri também as maneiras mais práticas e sustentáveis de manter a “saúde” e atingir o potencial daqueles produtos que comprava. Um mundo de possibilidades se abriu diante de mim. Parece exagerado demais, né? Não é. É exatamente isso!

E é aí que a minha analogia começa – ou continua. Eu descobri que também tenho um manual – o manual do meu sistema, desse ser humano que sou. Vivi a vida durante muito tempo sem saber disso, no piloto automático, mas quando descobri e li (e continuo lendo e me aprofundando nele até hoje e para sempre), o mundo passou a fazer mais sentido. Eu não saio mais dando tiro no escuro, tentando e testando ferramentas e estratégias que não fazem sentido para ver se alguma resolve meu problema. Eu tenho um manual!! Eu sou capaz de olhar para dentro hoje, conhecendo um pouquinho mais da minha essência a cada dia, e fazer as escolhas que fazem sentido para mim, porque sei o que importa, qual meu propósito, o que quero, como funciono. Sei e continuo aprendendo todos os dias. E isso faz toda a diferença.

“Um estudo [Herwig and Waszak, 2012] mostra que, quando estiver passando por noites nubladas e tempestades, quando nem sabe se consegue ver alguma solução para o problema, o que precisa fazer não é olhar para estímulos [estratégias] externos. O que precisa fazer é conectar-se com a intenção [sua essência, seu manual], porque, como mostra o estudo, se você conecta com sua intenção [essência] quando está perdido, você é capaz de lembrar mais precisamente ações passadas e suas consequências [o que fez e o que funcionou ou não para você]. E fazer isso é muito mais poderoso do que simplesmente se conectar com o que está acontecendo externamente [estratégias externas]. Então, quando estiver nessa jornada de onde está hoje para onde quer chegar e se perder, olhe para dentro.” Srini Pillay, MD, Harvard Medical School.

Conecte-se com a sua essência. Faz muito mais sentido partir de dentro para fora, o mundo fica mais colorido, mais nítido, menos assustador. É por isso que acredito em nos validar, reconhecer e conhecer. Agir de acordo com o que e quem somos e acreditamos – nossos valores mais profundos que nos guiam. É preciso descobrir o nosso manual, ele é único e revela coisas maravilhosas! As possibilidades são infinitas quando partimos de dentro para fora.

Descubra-se.

Lembrando a minha formação em Coaching

By | Instagram | No Comments

Eu conquistei minha mudança e superei meus obstáculos e desafios com ajuda da Programação Neurolinguística. Eu me capacitei em Coaching com foco em Programação Neurolinguística para ajudar as pessoas a conquistarem seus sonhos. O Coaching estrutura a PNL para ser usada de uma maneira mais sistemática e prática, ou seja, meus clientes geram mudanças mais rápidas, profundas e sustentáveis quando querem de verdade! Criamos projetos de vida e eu me sinto honrada de participar de cada um deles. Você pode também. Descubra-se!

A minha mudança

By | Instagram | No Comments

2013/14. Em torno de 110kg. Calça 54. Uma das pouquíssimas fotos que tenho de uma época que morria de vergonha de sair de casa, tirar fotos ou me olhar no espelho. Só em 2014 comecei meu processo de descoberta. 2016. Em torno de 85 kg. Calça 48. A segunda fase do meu projeto descoberta. A calça é a mesma, mas a cabeça estava muito diferente. 2017. Em torno de 60kg. Calça 38. A última foto que tirei. Apesar de já ter mudado muito desde lá, a felicidade da superação e da sensação de me descobrir ainda mora forte dentro de mim. O que fiz foi me conhecer, agir de acordo com o que fazia sentido para mim e gerar a mudança que eu acreditava. Me libertei de padrões impostos pela sociedade e de dietas restritivas malucas. Me libertei também da ideia de que a conquista vem através de uma solução mágica. Não é verdade. Ela veio com muita determinação, dedicação e vontade. E com MUITO autoconhecimento. Assim eu consegui me transformar sem cirurgias, remédios ou dietas. Você pode também! Descubra-se!!

Sobre o medo

By | Artigo | No Comments

“É disso que você se esconde – o ruído na sua cabeça que te diz que não é boa o suficiente, não está perfeito, que poderia ter sido melhor.” -Seth Godin

Hoje acordei com medo. Medo de não dar certo, de não conseguir, de não ser relevante ou boa o suficiente. Medo de agir. Quando isso acontece eu chamo de “momento vida real”, aquele que a gente enfrenta, sabe? Aquele momento em que tudo parece demais (a palavra em inglês é overwhelming) e quando a sensação te toma de um jeito que a vontade é de parar a montanha russa da vida e pedir para descer. Já passou por isso?
*
Pois é. Hoje acordei com medo. E por coincidência – ou não – estou lendo um livro sobre produtividade querendo montar um projeto para aumentar a minha. E olha que esses meus projetos são bons, hein? O último que montei me rendeu 50kg a menos! Enfim, estava lendo esse livro quando me deparo com esse capítulo de Seth Godin.
*
Questionado sobre porque trabalhamos duro à curto prazo, mas ainda assim, muitas vezes, não conseguimos atingir nossos objetivos maiores e o que fazer para alinhar os dois, Seth Godin disse:
*
“A razão pela qual você pode estar tendo problemas com seu objetivo a longo prazo é quase sempre medo.
*
O medo, a resistência, é muito traiçoeiro. Não deixa muitas pistas. Mas alguém que, por exemplo, consegue fazer um curta-metragem que agrada imensamente todo mundo, mas não consegue levantar dinheiro suficiente para fazer um longa, ou uma pessoa que pega freelas aqui e ali e não consegue descobrir como transformar isso no seu trabalho principal – essa pessoa está se prejudicando.
*
E essa pessoa se prejudica, porque a alternativa é se colocar no mundo como alguém que sabe o que está fazendo. Ela tem medo que, se fizer isso, será vista como fraude. É incrivelmente difícil se levantar durante uma reunião formal de diretoria, ou uma conferência, ou apenas em frente aos seus colegas e dizer: ‘Eu sei como fazer isso. Aqui está meu trabalho. Levou um ano. Está excelente.’
*
Isso é difícil por duas razões: 1) te expõe à críticas, e 2) te coloca no mundo como alguém que sabe o que está fazendo, o que significa que amanhã você também precisa saber o que está fazendo, e você acabou de se inscrever para uma vida inteira de ‘saber o que está fazendo’. É muito mais fácil lamentar e se prejudicar e culpar o cliente, o sistema e a economia.”
*
O que eu fiz para lidar com o medo? Fiz algo diferente: agi. Grant Cardone uma vez disse algo que vai ficar marcado comigo para sempre e que, finalmente, estou conseguindo aplicar. Quando a mulher dele comentou que ele parecia não ter medo de nada, ele respondeu mais ou menos assim: “não é verdade. Eu tenho medo constantemente! Mas para mim, o medo é um indicativo de onde devo ir. Eu lido com esse dilema eliminando o fator ‘tempo’ da equação, já que é ele que promove o medo. Quanto mais tempo dedicar ao objeto da minha apreensão, mais ele se torna forte. Portanto ajo antes que ele possa tomar conta de todo meu sistema!”
*
E sabe de uma coisa? Em inglês algumas pessoas dizem que FEAR (medo) significa False Events Appearing Real (eventos falsos parecendo reais). E não é que quando olho para trás na minha vida percebo que poucos dos meus “monstruosos” medos se tornaram realidade? Poucos ou nenhum. Medo é, na grande parte, provocado por emoções, que são frutos do nosso foco e atenção.
*
Portanto em vez de me paralisar dessa vez, eu agi. Agi com medo mesmo, como fiz bravamente tantas outras vezes na minha vida. E quer saber? Hoje vou dormir em paz.

Sobre a vida

By | Artigo | No Comments

“Vida é o que acontece enquanto você está ocupado fazendo outros planos.” -John Lennon

Eu era o tipo de pessoa que passava pela vida sem respirar, preocupada com tudo e fazendo mil planos. Hoje eu entendo que viver nesse “futuro incerto” me gerou muita ansiedade e estresse e que, se eu quisesse estar presente na minha própria vida, teria que aprender a lidar com isso.

Esse conceito de estar presente, atento, vivendo o momento era meio esquisito para mim. Não sabia por onde começar. Eu achava tudo mágico, mas estava meio perdida. E enquanto tentava entender, me coloquei em movimento, fui atrás de respostas.

Foi com essa caminhada, essa minha descoberta de mim mesma, onde me vi 50kg mais magra e mais consciente da minha vida, que percebi uma vontade de estar ainda mais presente.

Nas últimas semanas tenho aprendido e praticado, todos os dias, o que é esse conceito de mindfulness, de estar presente, de entender que a vida é o que acontece com a gente quando estamos lá fazendo outros mil planos. E de perceber que não preciso mais usar frases do tipo “quando eu chegar lá, aí sim isso vai melhorar/resolver/mudar minha vida.”

Para mim, a resposta não estava (e não está) no momento em que me percebi 50kg mais magra, as respostas estavam (e estão) na caminhada, no processo, no momento, na presença, nos obstáculos que nos fazem crescer. O crescimento, a transformação e a vida estão na descoberta de mim mesma e nos pequenos passos que dou diariamente.

Não foi melhor só quando cheguei lá, foi bom sempre e ainda bem que vivi isso, que estava presente para esses momentos da minha caminhada onde me descobri e continuo me descobrindo.

Autoconhecimento é um maravilhoso caminho sem volta. Descubra-se!