Tag

responsabilidade

Sobre as soluções mágicas

By | Artigo | 8 Comments

Vem comigo, vamos fazer um passeio. Um passeio pelo mundo mágico das soluções fáceis, únicas e rápidas. Onde emagrecer 50 quilos tem a ver com aquela dieta milagrosa, ou algum trauma do passado que identifiquei e instantaneamente resolveu meu problema. Ou um ajuste no meu estilo de vida igual ao que vi alguém fazendo por aí, mas que nem sei se faz sentido para mim. Ou então uma ferramenta revolucionária que descobri e que, com certeza, só por ter descoberto essa ferramenta eu já mudarei – nem terei que colocar nada em prática e testar e crescer e caminhar. Não! Essa é mágica mesmo. Tão mágica que só de saber dela a gente muda.

Vamos fazer um passeio por esse mundo mágico das soluções fáceis e milagrosas. Continua comigo aqui, porque aqui é assim: quer mudar de carreira? Não se preocupe. Te dou uma ferramenta que transformará sua vida do dia para noite. Você nem vai precisar sofrer com questionamentos, dúvidas sobre sua capacidade ou escolha, medo e emoções tão profundas que às vezes até refletem no corpo também. Não! Você vai mudar magicamente. Sem esforço, sem dedicação, sem medo, sem investimento de tempo, sem problema nenhum. Afinal não é isso que estava procurando minha vida inteira? A mudança milagrosa? A solução mágica? Nesse mundo, a lei do menor esforço é a que comanda tudo.

Foi num dos meus passeios por esse mundo, onde vivi durante quase 20 anos, que ouvi alguém falando de uma terapeuta que trabalhava com hipnose. Na mesma hora meus olhos brilharam e minha cabeça começou a delirar com a “solução mágica” que eu tinha encontrado. No auge do meu desespero – e do meu peso – eu achava que essa pessoa, com essa terapia, poderia me hipnotizar como nos filmes para colocar na minha cabeça a ideia que eu tinha feito cirurgia bariátrica. (!!!!) No desespero e dor profunda que eu me encontrava, alguém me oferecia mais uma porta naquele mundo fantástico e do outro lado estaria uma única coisa que mudaria minha vida. Que sensacional seria eu fazer cirurgia sem fazer cirurgia e emagrecer magicamente! A melhor de todas as soluções, não?

Não. Eu fui na terapeuta. Eu me senti tão mal quando ela olhou para mim, no peso que eu estava, e disse: “por que você não troca uma torta de chocolate por uma gelatina diet” ou ainda “o que seu marido deve pensar disso, hein?” ou ainda “não dá para te hipnotizar dessa forma, a hipnose não funciona assim”. Das três coisas mais marcantes que ela me falou nos únicos dois encontros que tive com ela antes de desistir, a última foi a verdadeira. Aprenderia muito tempo depois – junto com a PNL – que a hipnose é uma ferramenta excelente para mudança e ajuda, e que ela definitivamente não funciona como nos filmes. É muito mais séria que isso e requer a participação e entrega de quem está passando por ela. Descobri que ela não é solução mágica, é mais uma estratégia que posso usar quando fizer sentido durante a minha caminhada. Só isso. E tudo isso.

E enquanto passeava por esse mundo mágico olhando para fora em busca de soluções, eu me perdia de mim. E me perder de mim, para mim, significava engordar e me esconder – me cobrir, literal e figurativamente. E quanto mais eu me cobria, mais eu me perdia nesse mundo louco. Andava como se estivesse sempre olhando para aquela cenoura na frente do cavalo, sabe? Aquela isca que me prometia mundos e fundos, mas que nunca conseguia alcançar. Esse mundo magicamente cruel, onde aprendemos que solução e conquista se dão do dia para a noite e que, se estamos sofrendo, devemos estar fazendo alguma coisa errada. Andava sem rumo por ali, como andei durante 20 anos.

O que aconteceu foi que, pela minha busca e questionamentos, no final desses 20 anos cheguei no limite desse mundo. Ali, naquela plaquinha visível de “volte sempre ao mundo mágico”, no estilo das que vemos quando saímos de alguma cidade na estrada, sabe? Eu me encontrei ali, na frente daquela placa, contemplando o outro lado e pensando se realmente estava pronta para deixar esse mundo para trás. A coragem e vontade de atravessar aquela placa, de sair do mundo mágico das soluções milagrosas, precisa ser grande. Do outro lado a lei não é do menor esforço, é do maior. O maior esforço bem direcionado, planejado e pensado. E a lei não é só uma, são várias, e às vezes bem confusas. Para você conseguir o que quer nesse mundo real pode ser que precise tentar, testar, errar e aprender com os erros, lidar com frustrações, medos, questionamentos sobre sua capacidade, descobrir seus pontos fortes e encarar seus pontos fracos, encontrar seus valores, o que tem de mais importante nessa vida para você, lidar com traumas, com vontades, com tristezas, com tempestades, com felicidades, com confusão e desorganização. Precisa se desafiar, traçar uma rota de ação e AGIR. Precisa agir consistentemente com o esforço, dedicação e atenção necessários para perceber e ajustar seus planos ao longo do caminho.

Nesse mundo real, onde a lei do menor esforço nem é lei e muito menos existe, é preciso aprender lidar com o sofrimento e “sofrer bem”, ou seja, de uma maneira que te eleve e eleve aquelas pessoas à sua volta. Porque quando “sofremos bem” temos a oportunidade de crescer, de aprender e de ajudar. Nesse mundo real é preciso ter resiliência, inteligência emocional e autoconhecimento. E tudo isso é construído passo a passo durante a jornada. Nesse mundo não existe instagram para te dizer o quanto sua vida mudou magicamente de uma hora para outra e o quanto o outro é feliz e bem-sucedido sem esforço nenhum, magicamente. Nesse mundo o lema é: se quer construir algo que vale a pena descubra-se, aja estrategicamente de acordo com o que faz sentido para você e mude de forma sustentável. Tenha garra e coragem e saiba se acolher e se amar, porque quando a “coisa ficar feia” é saber se tratar com carinho, compaixão e amor que vai sustentar todo seu projeto de vida.

Ah! E mais uma coisa. Nesse mundo, onde os sonhos são conquistados com dedicação e ação consistente, RESPONSABILIDADE é a palavra-chave. Porque aqui ninguém pode te impedir de fazer o que deve e deseja para mudar sua vida. Ninguém está no seu caminho. O caminho está livre para você fazer as escolhas que quer. E para isso é preciso entender que somos responsáveis por nossas ações e estamos no controle das nossas vidas. Nós decidimos qual passo dar e assumimos total responsabilidade pelas consequências sem nos vitimizar, reclamar ou culpar o outro. Nós assumimos a responsabilidade das decisões que tomamos para tornarmos nossos sonhos realidade.

Esse é o mundo das grandes mudanças sustentáveis. Mudanças que são construídas por nós mesmos, um passo de cada vez, errando, acertando e aprendendo só para errar de novo e melhor. E olha, se você chegou até aqui comigo, eu desejo que você atravesse aquela plaquinha de “volte sempre ao mundo mágico” sem nem olhar para trás e nunca mais volte lá. Porque esse mundo aqui vale a pena, a construção do seu sonho vale a pena. É nesse mundo que a sua energia e tempo serão aproveitados de maneira mais positiva e construtiva e é nesse mundo que você crescerá e se reconhecerá. É aqui, nesse lugar caoticamente maravilhoso, que sonhos são CONSTRUÍDOS e não revolvidos com um passe de mágica. Atravessa a plaquinha! Eu te encontro do lado de cá.

Descubra-se.

Sobre o medo

By | Artigo | No Comments

“É disso que você se esconde – o ruído na sua cabeça que te diz que não é boa o suficiente, não está perfeito, que poderia ter sido melhor.” -Seth Godin

Hoje acordei com medo. Medo de não dar certo, de não conseguir, de não ser relevante ou boa o suficiente. Medo de agir. Quando isso acontece eu chamo de “momento vida real”, aquele que a gente enfrenta, sabe? Aquele momento em que tudo parece demais (a palavra em inglês é overwhelming) e quando a sensação te toma de um jeito que a vontade é de parar a montanha russa da vida e pedir para descer. Já passou por isso?
*
Pois é. Hoje acordei com medo. E por coincidência – ou não – estou lendo um livro sobre produtividade querendo montar um projeto para aumentar a minha. E olha que esses meus projetos são bons, hein? O último que montei me rendeu 50kg a menos! Enfim, estava lendo esse livro quando me deparo com esse capítulo de Seth Godin.
*
Questionado sobre porque trabalhamos duro à curto prazo, mas ainda assim, muitas vezes, não conseguimos atingir nossos objetivos maiores e o que fazer para alinhar os dois, Seth Godin disse:
*
“A razão pela qual você pode estar tendo problemas com seu objetivo a longo prazo é quase sempre medo.
*
O medo, a resistência, é muito traiçoeiro. Não deixa muitas pistas. Mas alguém que, por exemplo, consegue fazer um curta-metragem que agrada imensamente todo mundo, mas não consegue levantar dinheiro suficiente para fazer um longa, ou uma pessoa que pega freelas aqui e ali e não consegue descobrir como transformar isso no seu trabalho principal – essa pessoa está se prejudicando.
*
E essa pessoa se prejudica, porque a alternativa é se colocar no mundo como alguém que sabe o que está fazendo. Ela tem medo que, se fizer isso, será vista como fraude. É incrivelmente difícil se levantar durante uma reunião formal de diretoria, ou uma conferência, ou apenas em frente aos seus colegas e dizer: ‘Eu sei como fazer isso. Aqui está meu trabalho. Levou um ano. Está excelente.’
*
Isso é difícil por duas razões: 1) te expõe à críticas, e 2) te coloca no mundo como alguém que sabe o que está fazendo, o que significa que amanhã você também precisa saber o que está fazendo, e você acabou de se inscrever para uma vida inteira de ‘saber o que está fazendo’. É muito mais fácil lamentar e se prejudicar e culpar o cliente, o sistema e a economia.”
*
O que eu fiz para lidar com o medo? Fiz algo diferente: agi. Grant Cardone uma vez disse algo que vai ficar marcado comigo para sempre e que, finalmente, estou conseguindo aplicar. Quando a mulher dele comentou que ele parecia não ter medo de nada, ele respondeu mais ou menos assim: “não é verdade. Eu tenho medo constantemente! Mas para mim, o medo é um indicativo de onde devo ir. Eu lido com esse dilema eliminando o fator ‘tempo’ da equação, já que é ele que promove o medo. Quanto mais tempo dedicar ao objeto da minha apreensão, mais ele se torna forte. Portanto ajo antes que ele possa tomar conta de todo meu sistema!”
*
E sabe de uma coisa? Em inglês algumas pessoas dizem que FEAR (medo) significa False Events Appearing Real (eventos falsos parecendo reais). E não é que quando olho para trás na minha vida percebo que poucos dos meus “monstruosos” medos se tornaram realidade? Poucos ou nenhum. Medo é, na grande parte, provocado por emoções, que são frutos do nosso foco e atenção.
*
Portanto em vez de me paralisar dessa vez, eu agi. Agi com medo mesmo, como fiz bravamente tantas outras vezes na minha vida. E quer saber? Hoje vou dormir em paz.