February 23, 2018 at 06:47PM

By 23/02/2018Instagram

Eu queria que esse texto fosse um daqueles altamente bem escritos que defenderia uma teoria a favor da alta performance e da produtividade perfeita e que, no final, você saísse daqui convencido que essa é a melhor solução para sua vida. Mas não é. O máximo que você vai tirar daqui são alguns insights enquanto lê sobre uma dessas vidas reais de verdade, sabe? Aquela sem glamour mesmo, bem diferente do instagram.
▪️
O termo da vez é alta performance. Pelo menos na minha área de atuação e nas pesquisas altamente tendenciosas e filtradas que o Google faz por mim. Aliás, não se engane, o Google não é neutro. Vivemos numa bolha onde o viés confirmatório é o que mais te deixa satisfeito durante suas pesquisas. Ou seja, você encontra por aí justamente o que procura – produtos e recomendações e opiniões à favor das suas crenças – e não porque a internet tem de tudo, mas porque os algorítimos aprendem quem você é e o que prefere antes mesmo de você ter a chance de fazer isso. Autoconhecimento vem depois do Google no dicionário da vida moderna.
▪️
Mas nem era sobre isso que queria falar. Voltemos ao termo da vez: alta performance. Seguido do queridinho de todo mundo (ou do mais odiado de todos, depende do ponto de vista): produtividade. Num mundo onde o Instagram é um forte competidor pela sua atenção – são 50 milhões de usuários só no Brasil, de acordo com a Folha – a consequência da comparação com a narrativa de alta performance, produtividade e perfeição que criamos da vida alheia pode ser devastadora. Calma, eu explico.
▪️
São 4h da manhã. Eu normalmente acordo antes do celular vibrar do meu lado e me mostrar a qualidade do meu sono naquela noite. Depois de uma rápida análise de humor, eu fecho o aplicativo e me questiono se deveria abrir o Instagram. Na maioria das vezes devolvo esse tempo e atenção para mim, desligo o celular, levanto da cama e vou cuidar da minha vida. Mas algumas vezes, algumas vezes eu abro o Instagram. O aplicativo do glamour, como eu costumo chamar, ou da infelicidade, como diz Manoush Zomorodi, no TED incrível sobre tédio e aplicativos que roubam sua atenção, tempo e felicidade. (CONTINUE LENDO NO MEU SITE: bit.ly/produtivaeperfeita) Via Instagram http://ift.tt/2ESY99z

Comentários

comentarios